Ichiban Brasil 2012

Ichiban Brasil

A maior votação popular dos Melhores do Ano relacionada a cultura japonesa chega a sua terceira edição maior do que nunca.

Algumas dezenas de milhares de votos em trinta e oito categorias agrupadas em seis grupos em uma premiação, que, claro, poderia ser ainda melhor; mas que ainda assim é sólida o bastante para ter uma base boa o suficiente a necessitar somente de ajustes.

Sim, a base não deverá mudar tão cedo: consulta popular com um filtro “crítico” anterior baseada principalmente em popularidade e com categorias flutuantes ao longo dos anos. Muitas premiações são assim, contendo tanto as qualidades como os defeitos deste tipo de consulta, que no fim das contas nunca é “justa” o bastante – afinal, quem diabos indicou Nichijou no lugar de Kaiji ou Natsume Yuujinchou a anime do ano, hein? Queremos nomes!

Para uma eventual Quarta Edição ainda melhor e mais efetiva, valem expor aqui duas rápidas sugestões: 1 – além da óbvia – e mais expressiva – votação popular, não seria válido a coexistência de um prêmio da crítica? Tudo bem que doi ver o Production I.G. ser laureado como o estúdio de animação do ano justo em um 2011 marcado pelo aleatório Guilty Crown e pelo sofrível BLOOD-C, mas seria interessante ver estas opiniões e comparar com o gosto da maioria.

Dito isto, também podemos levantar mais uma [2-] questão: não podemos sair um pouco da zona de conforto dos parceiros e realmente tentar ver qual é o real alcance da blogosfera de animes no Brasil? Porque sim, há artigos ruins neste blog e bons no Anime, Manga e TV. Bem que um eventual Aniblog Tourney Brasil poderia ajudar a ver quem é quem por aqui, mas também é caso de maior pesquisa e fortalecimento desta massa disforme chamada “blogosfera” [que aliás é ignorada solenemente por muitos que assistem anime no Brasil].

Sugestões expostas, hora de fazer um voto aberto.

Antes disso, bom falar que sim, este blog foi convidado a participar como jurado na categoria Anime; infelizmente pelo motivo algo bobo de não conseguir montar uma lista que considerasse adequada nas treze categorias propostas acabou ficando de fora da lista de jurados; mas agora, com a tarefa facilitada pelos amigos e inimigos blogueiros, hora de dar doze palpites [não, não peçam para falar algo sobre música que não tenha forte carga de pessoalidade e amadorismo]:

Melhor Série: Puella Magi Madoka Magica.

Melhor OVA: Mobile Suit Gundam Unicorn.

Melhor Filme: REDLINE.

Melhor Personagem Principal Masculino: Kotetsu T. Kaburagi. [TIGER&BUNNY]
O personagem masculino mais marcante de 2011: o moreno trintão, ativo, impulsivo e falastrão como um protagonista de battle shounen mas razoavelmente consciente de sua situação e responsabilidades […] um sopro de ar fresco em uma mídia dominada por adolescentes […] tremendamente humano.

Melhor Personagem Principal Feminino: Homura Akemi [Puella Magi Madoka Magica]
A mais misteriosa das garotas mágicas presentes na série de TV do ano acaba tendo uma história que poderia facilmente cair no terreno do clichê mas que é contada de tal forma que acaba por cativar a muitos que assistem a série, sendo facilmente considerada a grande personagem aqui. Um pouco exagerado o amor, mas sem dúvida muito merecido.

Melhor Personagem Coadjuvante Masculino: Kyuubei [Puella Magi Madoka Magica]
Magnificent Bastard. Há um certo tipo de personagem que desafia definições como heroi ou vilão, bom ou mau, amigo ou inimigo. Amando ou odiando, você tem que admirá-lo.

Melhor Personagem Coadjuvante Feminino: Ringo Oginome [Mawaru Penguindrum]
Coadjuvante? Ringo acabou tendo tanto tempo de tela que poderíamos até dizer que sim, ela é uma dos quatro protagonistas de Mawaru Penguindrum – e destes, foi quem sem dúvida teve um desenvolvimento fantástico e redondo com uma personalidade para muitos chata mas sim, profundamente humana. E ao final, sim, carismática.

Melhor Seiyuu Masculino: Mamoru Miyano
Taichi Mashima em Chihayafuru; Rintaro Okabe em Steins;Gate; Cinque em DOG DAYS; Kento Miura em Kimi ni Todoke 2nd; Tokiya Ichinose em Uta no Prince-sama.

Melhor Seiyuu Feminino: Hanazawa Kana
Mayuri Shiina em Steins;Gate; Charlotte Dunois em IS/Infinite Stratos; Moriyama Shiemi em Ao no Exorcist; Shiro em Deadman Wonderland; Kobato Hasegawa em Haganai; Ayase Shinomiya em Guilty Crown; Nessa em Fractale.

Melhor Abertura: Hyadain – Hyadain no Joujou Yuujou [Nichijou OP 2]

Melhor Encerramento: coaltar of the deepers – Dear Future [Mawaru Penguindrum ED 1]

Deliciosa música de cabaré em encerramento que brinca com rara felicidade com a dualidade presente entre o traço fofo de Lily Hoshino e os temas pesados incorporados por Kunihiko Ikuhara em sua obra. Simples, forte, excelente.

Melhor Estúdio: SUNRISE.
Gintama’. Kyoukai Senjou no Horizon. TIGER&BUNNY. Fora o dinheiro perdido em Sacred Seven. Claro que o Brain’s Base animou duas obras muito boas, mas o mérito artístico de uma [Mawaru Penguindrum] tem muito do diretor [que não é afiliado ao estúdio] e a outra [Natsume Yuujinchou Shi] é tecnicamente apenas razoável.

Eu fiz as minhas escolhas; e você, quais são as suas? Além de claro, sentir-se livre para comentar aqui mesmo, que tal votar em algo que é só até amanhã, 22 de Abril de 2012? Semana que vem, comentários sobre os resultados [até porque devem ter algumas surpresas].

Ichiban Brasil

3 Comentários

Arquivado em Curiosidades, Notícias

3 Respostas para “Ichiban Brasil 2012

  1. Lavus Canorra

    Vish, não acertou nem uma. Parece que o público geral tem uma visão totalmente diferente da sua. Que pena. Mais sorte no próximo ano…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s