Angel Beats! e a Geração Twitter

Artigo originalmente publicado em 11/05/2010.

Desde o começo da história, há seis mil anos, a humanidade vem avançando a passos que só se alargam ao longo do tempo. E desde a Revolução Industrial, há 250 anos, esses passos são cada vez mais rápidos e frequentes. Há dois anos atrás, parecia que a crise do subprime estava sob controle, o Corinthians estava na Série B – com o sonho da Libertadores no centenário ainda longe e estávamos esperando o promissor CLANNAD ~After Story~ após o fim da primeira temporada. Quanto tempo, não?

O tempo passa tão rápido que sempre estamos “sem tempo”. Tudo tem que ser para ontem – não podemos esperar chegar em casa para blogar, não temos paciência para esperar 10 episódios de introdução em um anime de 50 episódios… Aliás, a duração dos animes está diminuindo. A temporada padrão de um ano atualmente é de seis meses. Os animes menores, que duravam seis meses, agora duram três – noitaminA e Anime no Chikara são exemplos disto.

Claro que há a diminuição de riscos por parte das produtoras, mas o tempo curto de muitos fãs de anime é fator primordial para isso. E esses fãs querem aproveitar ao máximo o pouco tempo que tem – por que perder tempo então desenvolvendo demais as camadas da história, as vezes sacrificando preciosos minutos que poderiam trazer algo de divertido? Assim, não podem haver muitos “respiros” – além da história avançar, sempre é necessário “acontecer algo” durante todo o percurso para manter a atenção desse tipo de espectador nas alturas.

Coloco dois casos de animes feitos pensando nisso: Summer Wars e Angel Beats!. O primeiro, filme do ano passado, é famoso por fazer uma bela mescla de temas estruturados de uma forma simples e divertida. Graças a essa variedade de temas e personagens (no fundo, é tudo uma grande família – mas o recurso é útil para abordar, mesmo que em detalhes, coisas como um jogo valendo a passagem para o Koushien), sempre há algo acontecendo. Claro, no fundo isso remete a filmes de aventura como Laputa e Castelo de Cagliostro, mas Summer Wars é mais rápido – e não tem um longo diálogo decisivo no final.

Mas fiquei intrigado mesmo com Angel Beats!. Um elenco agressivamente grande para 13 episódios. Episódios que contam uma história longa e coesa, mas podem ser assistidos sem muito compromisso. Shows e outras formas de ação como a base de tudo, sobre os quais a história é construída em cima – sem aquela irritante quebra de ritmo de certos animes onde cada golpe tem que ser explicado. Nem mesmo o tempo da abertura é poupado – foi usado para encaixar um trecho da história em um dos episódios.

Resultado: um anime interessante de se ver em uma era onde as pessoas julgam o que vão ver em um episódio [recentemente, o diretor de CANAAN – mesmo estúdio de Angel Beats, aliás! – reclamou disso] e que podem parar de assistir a qualquer momento assim como deixam de ler quem não consegue passar algo essencial em menos de 140 caracteres.

Deixe um comentário

Arquivado em Estudo

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s